Como Digitalizar um Negócio em 8 Passos

Hoje vou falar sobre os 8 passos para digitalizar o vosso negócio. Atualmente, muitas PME’s estão num ponto em que precisam ou procuram forma de dar esse primeiro passo para o digital e começar a vender “on-line”, por isso não perca este post porque vou dizer-lhe como fazer tudo isso.
Digitalizar um Negócio
Nos últimos meses, a palavra digitalização adquiriu especial importância em alguns casos por levar a que as empresas tivessem de se reinventar e ter de vender diretamente online para sobreviver. E há outras empresas que, bem, continuaram a sobreviver a vender no ambiente mais tradicional (offline), mas que se aperceberam que a cada dia que passa o seu negócio fica mais comprometido se não derem o salto para o mundo digital, o que lhes permitirá expandir as suas vendas, porque assim já não se limitam às vendas locais em torno do seu ponto físico, mas podem não só atrair mais pessoas de todo o mundo, como ainda vender a nível nacional e internacional.
Se já era importante antes da pandemia as empresas estarem no mercado online, imagine agora que muitas dessas empresas tiveram de fechar porque não estavam preparadas para o mundo digital. É verdade que muitas foram surpreendidas, mas isto só pode acontecer uma vez, todos nós tivemos de perceber que não podemos esperar, que temos de agir, estar conscientes das tendências, do que está para vir e evoluir com o resto.
Sei que não é fácil quando não sabemos o que nos espera. E temos medo do que não sabemos, temos receio da mudança, mas temos de a enfrentar, e se não sabemos fazer algo, aprendemos a fazê-lo, ou contratamos um profissional para o fazer se o nosso orçamento não o permitir, mas temos de mudar para o mundo digital, e temos de o fazer da forma correta, porque se não estiver no mercado online, então está “feito ao bife”. Não funciona assim, e temos de perceber que não podemos pensar que sabemos tudo e trancamos-nos, porque assim teremos muita dificuldade em sair de uma situação complicada, e se não estivermos abertos, ou pelo menos preparados e predispostos a deixar-nos guiar e ajudar em toda esta parte, possivelmente, diria com certeza, o nosso negócio vai ter sérios problemas.
Portanto, este é um dos meus objetivos com o artigo de hoje, dar-lhe estes oito passos sobre onde deve começar, e como o deve fazer, porque é isto que sempre surge, as dúvidas de como dar esse passo para transpôr o seu negócio para o digital, e mais quando não conhece o mundo “online”.

Análise da situação

O primeiro passo é fazer uma análise da situação da sua empresa, analisar a concorrência, que oportunidades se apresentam. Por isso é importante conhecer este ponto de partida, para saber que recursos temos. Não é o mesmo para uma empresa que se encontra numa situação complicada, economicamente falando, e que tem recursos muito limitados, do que uma empresa com uma situação financeira estável, pois este é um investimento caro, mas com retorno no futuro.
É por isso que o ideal é realizar uma análise SWOT, que implica analisar interna e externamente os pontos fortes, sendo aquilo em que se sobressaem para tirar o máximo partido, as fraquezas que têm para as melhorar, as ameaças que têm à sua volta, como a sua concorrência, e as oportunidades que vão encontrar na solução dos problemas com respeito ao mercado que o nosso negócio ou marca está a visar.

Identificar o público

Após a análise SWOT, o passo seguinte é identificar a audiência “online”, que nem sempre é a mesma que a audiência “offline”. A sua situação e comportamentos são normalmente diferentes.
Note que existem negócios físicos com um público tradicional, em que o cliente não será nunca um cliente “online”, mas há outro tipo de cliente que não vai ao ponto físico, que pode ser um cliente “online”, por isso tem de identificar se o seu cliente atual também estará no mundo “online”, e como o mundo “online” abrirá novas oportunidades para alcançar o público que não alcançou antes.
É verdade que é possível o mesmo cliente ser um comprador tanto “offline”, como “offline”, embora isto seja menos comum.
Imagine que tem uma loja de bicicletas numa cidade específica num distrito específico, seja ele qual for. Provavelmente os seus clientes serão apenas pessoas da cidade ou áreas vizinhas, porque alguém que está um pouco mais longe provavelmente tem outra loja ou vai a outro lugar, ou então compra “online”. Por isso, neste preciso momento, se considerar a possibilidade de entrar na era digital, não está apenas a abrir-se a mais áreas do seu próprio distrito, mas a nível nacional e se formos mais longe também a nível internacional, porque o cliente pode estar à procura de uma certa bicicleta de uma certa cor e pode encontrá-la na sua loja, mesmo que esteja numa cidade diferente ou na parte oposta de Portugal. Não importa, porque no final a bicicleta interessa a esse cliente, e depois vai comprá-la e recebê-la por correio.
Portanto, analise muito bem este público que deseja alcançar, estude-o minuciosamente e aproveite-o ao máximo.

Conceber uma estratégia de marketing digital

Vamos entrar plenamente no canal digital, mas o que temos de fazer é trazer tráfego, ou seja, ao criar a loja online os clientes não vão simplesmente começar a chegar, isto não vai acontecer, por isso temos de ver o que vamos fazer, que ações vamos realizar para que as pessoas descubram o nosso comércio eletrónico, para que saibam que temos uma loja online e poderem comprar a nós. Aqui muitas vezes as empresas cometem o grande erro de criar uma grande loja online utilizando quase todos os recursos económicos nela existentes, e depois ficam sem orçamento para atrair potenciais clientes. E isto é um erro crítico, porque é preciso fazer precisamente o contrário, primeiro criar a loja com o menor investimento, fazê-la chegar a um grande número de clientes, e só depois podemos investir mais dinheiro na nossa loja online.
Aqui, especialmente no início, a parte da publicidade online assume especial importância, porque a curto prazo será o canal que trará mais visitantes interessados em comprar na loja. Se, por exemplo, anunciar no Google que está a vender bicicletas elétricas em Coimbra, porque quem pesquisa no Google bicicletas elétricas no motor de busca é porque já está a pensar comprar, e se eu vender bicicletas elétricas é muito possível que quem queira uma bicicleta elétrica e viva no distrito de Coimbra, então procure bicicletas elétricas em Coimbra. E se eu me posicionar com publicidade online é possível que eles vejam o anúncio, cliquem nele, visitem o website e decidam comprar ou contactar-nos. Mas muitas vezes neste processo de compra online não está implícito que a compra seja mesmo “online”, mas é possível que o primeiro contacto seja através de um anúncio na Internet e através dele venha à sua loja online, uma vez que pode ter perguntas por esclarecer e pode contactá-lo através de um web chat. Podem pedir-lhe mais informações sobre a bicicleta que viram e gostaram, ou podem mesmo pedir-lhe se podem vê-la na loja física. Por isso defina muito bem esta primeira estratégia de marketing digital para atrair os primeiros clientes à sua loja online.

Canais

A partir daqui e alinhados com isto, detetar quais são os canais mais apropriados, e aqui quero dizer-vos para não começarem a gerir os vossos perfis nas redes sociais de uma forma louca, ou seja, não temos de estar já no Facebook, LinkedIn, Twitter, Instagram, YouTube, tudo de uma vez, tudo de uma vez. Não o façam porque não serão capazes de o fazer bem, pois cada rede social precisa de muito conteúdo, e criar conteúdo de qualidade relevante não é realmente uma tarefa fácil e consumirá muitos recursos. Assim, no início terá de pensar muito bem onde investir estrategicamente esses recursos, pelo que poderá ter de considerar apenas uma rede social.
Note-se que esta é uma estratégia que planeamos para um cliente específico. Vamos a uma rede social porque para o público a que se vai dirigir, esta rede social é a que podemos dizer que tem mais poder, outras também, mas talvez esta seja a mais poderosa, e como temos de dar prioridade, vamos concentrar-nos apenas em gerar conteúdo para essa rede social e posicionar nessa rede social. Esqueça o resto, e digo isto entre aspas, pelo menos até termos os recursos necessários para concentrar esforços numa nova rede social e geri-la da forma correta.

CRM

Implementar um sistema CRM para a gestão de clientes, se ainda não o tiver. Isto é muito importante, especialmente quando entramos no mundo digital, porque manter o controlo com a folha de cálculo é uma loucura, mas mais do que loucura é algo impraticável, ineficiente, e não rentável, por isso analise que CRM pode instalar.
No início não se preocupe com o custo, ou seja, porque existem muitos CRM e alguns têm versões gratuitas para começar, obviamente com certas limitações, mas em muitos casos são válidos para começar e para ter esses primeiros dados.
Mas um CRM é algo essencial desde o início, não o deixe para mais tarde, isto também é típico, e depois custa muito trabalho despejar os dados de onde os tem para o CRM, para além da grande quantidade de informação que se perde pelo caminho.
O CRM é também algo estratégico no seu negócio digital, o que também é básico porque o CRM reúne, organiza e permite utilizar a coisa mais importante num negócio digital, os dados, por isso, se não os tiver, terá um problema sério.

Automação

O sexto passo vai de mãos dadas com o CRM e é a automatização.
Tem de automatizar bem no mundo digital pois uma grande parte das vendas virá de processos de automatização. Ou seja, como pode automatizar ou criar funis automáticos de vendas que geram novos clientes, e este processo é muito importante, e deve fazê-lo desde o início, porque a automatização ajuda a ir um passo além das visitas. Ou seja, se a cada 100 visitas sem automatização vende ou obtém um cliente, então com a última automatização pode multiplicar este número por 3, por 4, por 8, dependendo de diferentes fatores.
Por isso, é muito importante que a partir do primeiro momento, comecemos a fazer processos de automação simples. Não entremos em nada complexo, em funis altamente complexos, teremos tempo para isso, o importante é começar com algo simples, e pouco a pouco, quando o tempo passar, olhará para trás e dirá; uau, olhe para tudo o que preparámos. Quando pensou na altura que não podia, mas como foi montado de uma forma simples, pouco a pouco, de uma forma semiautomática, tem estado a construí-lo sem se aperceber.

Colaborações

Pense em contratar ou colaborar com novos profissionais que provavelmente não tinha no seu negócio tradicional antes.
Nunca teria pensado em ter uma pessoa para o ajudar a fazer textos mais eficazes. O chamado copywriting é agora muito necessário. Sempre foi necessária, mas agora com a digitalização e a rapidez com que os utilizadores consomem a informação, é ainda mais importante do que nunca.
Porque um texto, simplesmente um texto, se o disser de uma forma ou de outra, determina totalmente se compram ou não o seu produto.
Pense que especialmente na Internet, porque no mundo físico é mais fácil vender cara a cara, mas no mundo “online” isto não é assim. Na Internet temos o potencial cliente perante a nossa loja “online” e lá está ele sozinho, então o que o ajudará a tomar a decisão será a percepção que geramos, que será condicionada por imagens, vídeos, textos, por isso tudo isto é essencial, e no final o que temos de trabalhar é vender ao utilizador os benefícios do nosso produto, sem nos concentrarmos tanto no produto, pensar, por exemplo, ou imaginar, não sei, que vende produtos que todos nós usamos, um champô, pensar na forma como anunciam esse champô, o frasco sai, dizem-lhe para lavar melhor o seu cabelo, bem, tomamos como certo que um champô é para lavar o seu cabelo, ou de repente um rapaz ou uma rapariga num ambiente muito agradável está a tomar banho, e depois fica pedrado com aquele sabonete, e quando se vê aquela imagem, penso numa campanha, por exemplo, na televisão, ou num vídeo, no final está de alguma forma a transmitir-lhe, está a fazê-lo sentir o que aquela pessoa que vê no ecrã sente, que isto deve cheirar bem, com aromas, supernatural, e ainda por cima está numa selva, etc., acho que podem imaginar o que eu quero transmitir, bem, o que eles fazem é criar-vos, envolver-vos nas sensações, no que vão sentir, não no produto em si, e é isso que temos de conseguir, e isso é feito, por exemplo, com profissionais de copywriting, e com isto quero dizer que têm de valorizar a colaboração com pessoas a quem até agora provavelmente nunca deram importância.

Formação contínua

E o último ponto, mas não o menos importante, é a formação contínua das pessoas que trabalham na sua empresa.
Num negócio digital, o marketing é estratégico. Talvez no seu negócio físico não fosse tanto, porque bem, talvez estivesse localizado numa praça de uma cidade e as pessoas passassem e o conhecessem, ou de boca em boca, mas no mundo digital, o marketing é algo totalmente estratégico, e isso significa algo fundamental, algo que tem de ser incorporado em todas as pessoas que trabalham nesse negócio, e para isso é muito importante, e acima de tudo aproveitar e obter o máximo de resultados, estar continuamente a aprender e a treinar, e saber o que se passa, estar atento às últimas notícias e às últimas tendências.
Portanto, é essencial formar continuamente as pessoas que trabalham no seu negócio mesmo que não estejam diretamente relacionadas com o mundo do marketing.

Deixa o teu comentário